segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Ex-Residentes da Clínica Ginecológica do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo

Ex-Residentes da Clínica Ginecológica 
Listagem recebida do Setor de Residência Médica da Faculdade de Medicina (a partir de 1981) e Livro de Presença da Clínica (1973 a 1977).

Registros desde 1973

ADOLFO ANTONIO OBANDO GONZALEZ
ADOLFO VITOR DIAS SAVERBRONN
ADOLFO WENJAW LIAO
ADRIANA AKEMI YOSHIMURA
ADRIANA CARNEIRO MESQUITA
ADRIANA GUIMARAES PERRONI
ADRIANO ROTGER ARMELIN
ALBERTINA DUARTE TAKEUTI
ALBERTO B. MATTOS
ALESSANDRA DE ARAUJO SILVA
ALESSANDRA FERNANDEZ FERNANDES
ALESSANDRA MARA PALMA
ALESSANDRA REZZAGHI
ALEXANDRE ADES
ALEXANDRE CASTELO BRANCO DE LUCA
ALEXANDRE DE CASTRO ROBLES
ALEXANDRE MACHADO DE OLIVEIRA
ALEXANDRE PUPO NOGUEIRA
ALEXANDRE WAN HOW TSAI
ALFONSO ARAUJO MASSAGUER
ALINE BORTOLOTTO DI PACE
ALINE MORMILO BORGES
ALIPIO MILTON VARELLA
ALTAMIRO RIBEIRO DIAS JUNIOR
AMADEU JOSÉ PINTO
ANA CLAUDIA FERNANDES PIRES
ANA ELIZABETH SILVERIO LOPES
ANA LUCIA GAUDENCI
ANA LUCIA ROCHA BELTRAME DE MELLO
ANA LUISA TORRES UNZER DOS SANTOS
ANA MARIA M MELO
ANA MARIA PEARCE BRITO DE AREA LEAO
ANA MARIA SAMPAIO MOREIRA
ANA MARIA YAVARI
ANA NEIFE AITH RIBEIRO FREITAS
ANA PAULA ALCARAZ ZUCCATO
ANA PAULA SANTOS ALDRIGHI
ANDERSON ISSAMU IAMANACA
ANDERSON LOPES ROLIM
ANDRE LUIZ MALAVASI LONGO DE OLIVEIRA
ANDRE RAMOS NETO
ANDREIA DAVID SAPIENZA
ANDREZA CADIMA SILVA
ANGELA FRANCISCA TRINCONI
ANGELA REGINA APPENDINO
ANGELICA DANIELLE SANTOS COMIRAN
ANIBAL C. VILLAR
ANNABELLA FILIPPINI CATTONI
ANNE AMBROSIO AVELAR
ANSELMO FREDERICO NETO
ANTONIO CARLOS BASTOS NAVARRO FILHO
ANTONIO DELMIVAR CELESTINI
ANTONIO FRANCISCO
ANTONIO GOMES DE AMORIM FILHO
ANTONIO MALANDRINO NETO
ANTONIO TOMOAKI IKEDA
ARICIA HELENA GALVAO GIRIBELA
ARLETE AYAKO YAMASAKI
ARLETE GIANFALDONI
ARNALDO CESAR JUNJI MORIYAMA
ARNALDO URBANO RUIZ FILHO
ARTUR DZIK
AYRTON ROBERTO PASTORE
BARBARA REIS FERNANDES
BENJAMIN SPIGA R NETO
BIANCA CAMPOLIM GAGLIOTTI
BRUNO SALVADOR SOBREIRA LIMA
CAMILA ANNA HOFBAUER BARBOSA
CAMILA BARIAO DA FONSECA
CAMILA FERNANDA ANTUNES CASTANHO CAVALEIRO DE MACEDO
CAMILA FERNANDES VENNERI MATHIAS
CAMILA LOCCI BONTEMPO
CAMILA MARTIN SEQUEIRA NETO
CAMILA TOFFOLI RIBEIRO
CARLA REALTI
CARLOS ALBERTO KENDY KUMAGAI
CARLOS ALBERTO MAGANHA
CARLOS EDUARDO CZERESNIA
CARLOS EDUARDO HUDSON FERREIRA
CARLOS MARINO CABRAL CALVANO FILHO
CARLOS ROBERTO IZZO
CARLOS TADASHI YOSHIZAKI
CAROLINA BASTOS MAIA
CAROLINA BURGARELLI TESTA
CAROLINA HOFMEISTER DE ANDRADE
CAROLINA MEYER CORSINI
CASSIANA ROSA GALVAO GIRIBELA
CASSIO IDE ALVES
CATARINA IZUMI NAGAHAMA
CATIA CRISTINE CHUBA
CESAR AUGUSTO SAMPAIO DE QUEIROZ
CEZAR NOBORU MATSUZAKI
CHEN HSIANG LIH
CHUU SONG NIAN
CINARA PRATA CIRINO E SILVA
CLARICE KWON
CLAUDIA CRISTINA VEYNOGLOU KOSMISKAS
CLAUDIA HELENA CHIBA
CLAUDIA LYN NISHIMURA
CLAUDIA MARIA SANTOS ALDRIGHI
CLAUDIA MESSIAS GOMES
CLAUDIA PASSOS MARTINS
CLAUDIO FERRAREZI
CLAUDIO LUIZ YAMANISHI
CLEUBER JOSE DE GASPERI
CORINTIO MARIANI NETTO
CRISTIANE LEITE CUNHA
CRISTIANE MARTINS DE LIRA
CRISTIANE ORTIGOSA
CRISTIANE PAVAO SPAULONCI
CRISTINA ANTON
CRISTINA DELL ARINGA DE OLIVEIRA
CRISTINA MOREIRA LEITE CARNEIRO
CRISTINA PEREIRA BIANCHI
CRISTINA TIEMI AMADATSU
CYNTHIA RENATA VAN TOL E SILVA
DANI EJZENBERG
DANIEL BIER CARAÇA
DANIEL GRANGEIRO
DANIEL LORBER ROLNIK
DANIEL MEIRELLES BARBALHO
DANIEL MEIRELLES BARBALHO
DANIEL PEREIRA FRATE
DANIEL STERMAN
DANIELA FRANCO LEANZA
DANIELA NASSIF ARANTES
DANIELE CARVALHO CALVANO MENDES
DANIELE CARVALHO CALVANO MENDES
DEBORA MOREIRA DE AVELAR ALCHORNE
DEBORA NUNES ARAUJO MOREIRA
DEBORA RECCHI
DEBORA SIMOES STEINMAN
DECIO ROBERTO KAMIO TESHIMA
DENIS SEIITI AOKI
DENISE ARAUJO LAPA PEDREIRA
DENISE BELLEZA HAIEK
DENISE HATSUMI DE FREITAS YANASSE
DENISE NAOMI SANO
DIANA GERTRUDES BARENBOIM SALLES VANNI
DIRCE NAOMI OKATANI
DIRCEU FAGGION JUNIOR
EDGAR RAFAEL NAVARRO GUEVARA
EDISON KIOSHI YAJIMA
EDISON LUIZ DE CAMPOS JUNIOR
EDUARDO HIDEKI MIYADAHIRA
EDUARDO JACOB
EDUARDO NEME
EDUARDO QUADRADO
EDUARDO SAWAYA BOTELHO BRACHER
EDUARDO VIEIRA DA MOTTA
EDUARDO YOSHIO SAGAWA
ELAINE MIE YOSHIDA
ELAINE NEVES
ELEONORA FLOSI STOCCHERO FONSECA
ELIANE AZEKA HASE
ELIANE LOUREIRO FERNANDEZ
ELIANO ARNALDO JOSÉ PELLINI
ELIAS NAIBERG
ELIAS SADALLA FILHO
ELVIO TOGNOTTI
EMILIA T. MURATA
ERICA RADES
ERIKA MIDORI USSAMI
ESTELA NAOMI NISHIE
EVA MARIA GONZALEZ DURAN SONODA
EVANIR APARECIDO DE OLIVEIRA JUNIOR
EVELINE OLIVEIRA DE CASTRO
FABIANA DUARTE MENDES
FABIANO LAITANO DA SILVA
FABIO AIELLO PADILLA
FABIO BIAGGIONI LOPES
FABIO BOR-JIUN SHU
FABIO IKEDA
FABIO ROBERTO CABAR
FELIPE EDUARDO MARTINS DE ANDRADE
FELIPE SILVA FITTIPALDI
FERNANDA BORGES SILVA BARBOSA
FERNANDA CRISTINA DA COSTA FERREIRA
FERNANDA DEUTSCH PLOTZKY
FERNANDA ERCI DOS SANTOS
FERNANDA IMPERIAL CARNEIRO LIEZ
FERNANDA SPADOTTO BAPTISTA
FERNANDA TALIBERTI PERETO
FERNANDA VALENTIM TELLES
FERNANDA VASCONCELLOS SILVA NASTRI
FERNANDO ANTONIO FERREIRA DA IGREJA
FERNANDO DE SOUZA NOBREGA
FERNANDO DUARTE CARON
FERNANDO FRANCIOLLI GUASTELLA
FERNANDO NALESSO AGUIAR
FERNANDO TAKESHI KAWAKAMI
FLAVIA FAIRBANKS LIMA DE OLIVEIRA
FRANCINE ZACARIAS GONCALVES
FRANCISCO SIERVO NETO
GABRIELA BOUFÉLLI DE FREITAS
GABRIELA MIREI ISHIDA
GABRIELLA PAIVA BENTO
GEORGES FASSOLAS
GILBERTO MOREIRA MELLO
GINO TIEPPO RODRIGUES
GIOVANNI MASTRANTONIO DI FAVERO
GISELE KATIA CAMARA OLIVEIRA
GIULIANO TAVARES TOSELLO
GIULIANO TAVARES TOSELLO
GIZELE HIRAKAWA DOREA
GLAUCIA OLIVEIRA BRAIA
GUILHERME MACRUZ FEUERWERKER
GUILHERME NOVITA GARCIA
GUSTAVO AVILA FONTOURA
GUSTAVO BURCOVSCHI KROGER
HEE JIN MYUNG
HELENA AZEVEDO GUIZZO
HELGA ELISA MARQUESINI GONZALES
HELIO RUBENS DE OLIVEIRA FILHO
HERBERT M . FERREIRA
HERMES UEJO
HILTON JOSE PEREIRA CARDIM
HSU CHIH CHIN
IGOR LEONARDO PADOVESI MOTA
INGRID RAMOS ROCHA E SILVA
ISABEL FORJAZ RODRIGUES CALDAS
ITALO DUTRA
IVO FERREIRA PAMPLONA
IVONE FERREIRA
JAIR MONACI
JAIRO ALMEIDA SILVEIRA
JAIRO BARBACEIA GONCALVES
JAVIER MIGUELEZ
JAYSON WILLIAM MEYER
JOÃO ALFARANO
JOAO ANTONIO DIAS JUNIOR
JOÃO CARLOS DE M. VACARELLI
JOÃO CARLOS MANTESE
JOAO FREDERICO LUCIANO DE MELLO
JOAO LUIS NAVARRO
JOAO PAULO DA SILVA MOURA
JOELMA QUEIROZ ANDRADE
JOICE HELENA PAES
JONATHAN YUGO MAESAKA
JONATHAN YUGO MAESAKA
JORGE MARCIO DOS SANTOS SALOMAO
JORGE MILHEM HADDAD
JOSÉ AFONSO MACHADO
JOSE CARLOS SADALLA
JOSÉ EDUARDO LIBER GOMES
JOSÉ RENATO TOSELLO
JOSE ROBERTO MORALES PIATO
JOSEPH NACSON
JUANG HORNG CHAU
JUÇARA M. GAVA
JULIANA ANTUNES VALENTE RODRIGUES
JULIANA CICCI GONCALVES FARINHA
JULIANA IKEDA NIIGAKI
JULIANA KITAHARA MIZUMOTO
JULIANA PAOLA DE MELHADO E LIMA
JULIANA SILVEIRA SARMENTO
JULIO CESAR NUNES CRISTOFOLI
JULIO MITSUTOMO TOYAMA
JUSTINA MARIA DA SILVA
KAREN CRISTINE ABRAO
KAREN HETTFLEISCH
KARINA ARISSA
KARINA BELICKAS CARREIRO
KASUA HARADA
KATHIA SAKAMOTO
KATIA CRISTINA MARRA
KEYLA CAROLINA BASTOS
LAERCIO R PORTO JR.
LAIS JUNKO YASSUDA
LARISSA DE FREITAS FLOSI
LAURA MACIEL ROCHA PENTEADO DE AGUIAR
LAURO FRACALOSSI JUNIOR
LEDA CAMPION
LEILA DOMINGUES DE OLIVEIRA
LEILA FERNANDES ARAUJO
LENY APARECIDA JOÃO
LIA CRUZ VAZ DA COSTA DAMÁSIO
LIGIA HIGAKI MURAKAMI
LIGIA MARIA TEIXEIRA PEREIRA DA SILVA
LILIAN CORREA
LILIAN RENATA FIORELLI
LILIANE DE MELO GUIMARAES
LIN CHANG CHING
LIN CHEN HAU
LIN TAO JINE
LIN YUAN I
LINCON JO MORI
LISANDRA STEIN BERNARDES
LIVIA ALVES LOPES
LUANA CRISTINA GALLO
LUCAS ROCHA
LUCAS YUGO SHIGUEHARA YAMAKAMI
LUCIANA CARLA LONGO E PEREIRA
LUCIANA CRISTINA PASQUINI RAIZA
LUCIANA CURY
LUCIANA PISTELLI GOMES
LUCIANO DE MELO POMPEI
LUCIANO MORO
LUCIENE MIRANDA
LUCIENNE PEREIRA DEL GROSSI
LUCIO LUIS SATO
LUCY HARASAWA
LUIS ALBERTO TAKAAKI SERA
LUIS CARLOS BACHA CANZIAN
LUIS IGNACIO PETTORUTI
LUIS MARCIO DOMINGUES ARANHA FILHO
LUIZ ANTONIO DE A. NOBILE
LUIZ ANTONIO PARDO
LUIZ CARLOS BATISTA DO PRADO
LUIZ CARLOS GESUALDI JUNIOR
LUIZ CARLOS MACHADO JUNIOR
LUIZ CARLOS TOLOMEI
LUIZ FERNANDO DE OLIVEIRA HENRIQUE
LUIZ FLAVIO CORDEIRO FERNANDES
LUIZ NAGAYOSHI KIUSUI
LUIZ RENATO P. NETTO
LUIZ ROBERTO DE OLIVEIRA FONTES
LUIZ ROBERTO ZITRON
LUSO GUEDES D'AMORIM JUNIOR
MAIRA MARINHO FREIRE COSTA
MARCELO CARIOLA CORREA DA COSTA
MARCELO FELICIO PAILO
MARCELO FELICIO PAILO
MARCELO GIL NISENBAUM
MARCELO GRAZIANO CUSTODIO
MARCELO HOSHINO
MARCELO ZUGAIB
MARCIA BORRELLI
MARCIA CRISTINA SANTOS PEDROSA
MARCIA EMY TUBAKI
MARCIA PEREIRA DE ARAUJO
MARCIO JOSE CORRENTE
MARCO ANTONIO NAZAR PETTI
MARCO AURELIO KNIPPEL GALLETTA
MARCO AURELIO PEROSA DE MIRANDA
MARCOS DE LORENZO MESSINA
MARCOS EIJI SHIROMA
MARCOS MACEDO VIEIRA LIMA
MARCOS MARRAFON
MARIA APARECIDA CHIEA
MARIA AUGUSTA BERNARDINI
MARIA CAROLINA POLO
MARIA CRISTINA DA SILVA
MARIA LUCIA DE MARTIN IGLESIAS
MARIA LUIZA NOGUEIRA DIAS GENTA
MARIA SOFIA ABEDELNUR
MARIA TERESA RONCAGLIA
MARIANA DE ALMEIDA CAMARGO LAUTENSCHLAGER
MARIANA DE ANDRADE
MARIANA DE PAULA SANTOS SANTIAGO AMORA
MARIANE DE FATIMA YUKIE MAEDA
MARIA F. F. PIÑEIRO
MARIA PASCHOALINA ALVES
MARINA UEMORI YAMAMOTO
MARIO GOTO NOMURA
MARIZA MARIE FUJITA
MARTIM AFFONSO
MATEUS DE LIMA FREITAS
MAURICIO SIMOES ABRAO
MAURO GRYNSZPAN
MAURO SANCOVSKI
MENAS R HIRATA
MIDGLEY GONZALES
MIGUEL JORGE NETO
MIKUNI FUKUTA
MILTON NAKAMURA
MIRIAM GONCALVES MARKOS
MIRIAM WALIGORA
MIRIAN DUARTE
MONICA CAMARGO FAIRBANKS
MOTAURI ARACAUÁ
NANCI YUMI UTIDA
NARA LIGIA ASBAHR
NATALIA CRISTINA FACIROLI
NELLY KIM AMI KOBAYASHI
NELSON DA CRUZ SANTOS
NELSON HISAMO SATO JUNIOR
NELSON SHOZO UCHIMURA
NILKA FERNANDES DONADIO
NILTON NORIO SHIBAKI
NOELY PAULA CRISTINA SESMA DA CRUZ
OB TAVARES
OSCAR BARBOSA DUARTE FILHO
OSWALDO DE LUCCA JR.
OSWALDO MONTEIRO JUNIOR
OSWALDO YUKIO MATUSHITA
PABLO ROBERTO NOVIK
PATRICIA DA ROCHA PENNACHIOTTI
PATRICIA DE ROSSI
PATRICIA MIYUKI ARIE
PATRICIA PONTE DE ANDRADE E SILVA MAGANHA
PATRICIA TERESA VALENTINI DE MELO
PATRICIA TONIOLO VARELLA COSTA
PATRICK BELLELIS
PAULA BEATRIZ TAVARES FETTBACK
PAULA GABRIELA MARIN FIGUEIRA
PAULA MATIKO AWOKI
PAULA SANTOS IZQUERDO
PAULA VILELA GHERPELLI
PAULA ZULIAN FAGUNDES
PAULO AUGUSTO AMADOR PEREIRA
PAULO BASTO DE ALBUQUERQUE
PAULO DE ANDREA
PAULO FRANCISCO RAMOS MARGARIDO
PAULO GUSTAVO TENORIO DO AMARAL
PAULO GUSTAVO TENORIO DO AMARAL
PAULO HOMEM DE MELLO BIANCHI
PAULO JOSE ROSSI SALLES
PAULO LUIZ FARBER
PAULO NOGUEIRA BAFILE
PAULO NORBERTO BUCHERONI
PAULO TUDECH SALGUEIRO
PEDRO AUGUSTO ARAUJO MONTELEONE
PEDRO PAULO PEREIRA
PEDRO RIOJI HIRANO
PRISCILA KATSUMI MATSUOKA
PRISCILA MIRALDI DIAS
RAFAEL LACORDIA
RAFAELA ALKMIN DA COSTA
REJANE LUIZA SILVA RIZZETTO
RENATA ASSEF TORMENA
RENATA KONNO
RENATA LOPES RIBEIRO
RENATA YURIKO MARUYAMA
RENATO BUSSADORI TOMIOKA
RENATO GIL NISENBAUM
RENATO KANEMOTO
RICARDO FACCIOLI
RITA DE CASSIA SANCHEZ
RITA VIEIRA GUARNIERI FERCARI
ROBERTA CAETANO DRACXLER
ROBERTA PINTO GRABERT
ROBERTO K. WATANABE
RODOLFO PALUDETO SANTA ROSSA
RODRIGO BORSARI
RODRIGO JOSE MIRISOLA RODRIGUES
RODRIGO ROCHA CODARIN
RODRIGO RUANO
ROGERIO CIARCIA RAMIRES
ROGERIO NERI
ROGERIO TOGNOTTI
ROSA MARIA NEME
ROSANA SELERI FONTES
ROSARIA RITA SIERVO SASSI
ROSARIO LEONOR G. CODES
ROSELI MIEKO YAMAMOTO
ROSSANA PULCINELI VIEIRA FRANCISCO
RUTH E. O. NESTAREZ
SANDRA REGINA GONCALVES
SANDRO GARCIA HILARIO
SANDRO VINICIUS MACHADO MELO
SEIGO KASIMURA
SEIZO MIYADAHIRA
SERGIO EDGAR CAMOES CONTI RIBEIRO
SERGIO GOMES DE SOUZA
SERGIO HIBNER
SERGIO MITSUO MASILI OKU
SERGIO PEREIRA GONCALVES
SERGIO PODGAEC
SETSUO OTANI
SIDNEY TOMYO NISHIDA ARAZAWA
SILVANA CHEDID
SILVIA DA SILVA CARRAMAO
SILVIO EDUARDO VALENTE
SIMONE OGOSHI
SOLANGE APARECIDA MONTEIRO
SOLANGE SASAKI
SONIA CHRISTINA LEME STACH
SONIA VALADARES LEMOS
SONJA MARIA SCHINDLER
SOUBHI KAHALE
SUELI MAGALHAES DE CAMARGO
SUELLY ALBERTINA SCARPELLI
SUZI TSIOMI MIYAZATO
SYLVIA VIANNA PEREIRA
SYMARA DE ANGELIS
TANIA BARRETO MONTEIRO DE ANDRADE
TANIA LUISA ABREU MIYADA
TANIA REGINA SCHUPP
TANIA SAALFELD AIDAR
TATIANA CRISTINA NOGUEIRA VARELLA
TATIANA FORTES PEDROZO
TATIANA PFIFFER
TATIANA PINHEIRO ROCHA DE SOUZA
TATIANA YAMASHIRO
TATIANE VIEIRA DE MEDEIROS
THAIS HELENA DE SOUSA ROCHA PAES
THAIS REGINA DE MATTOS LOURENCO
THAIS VILLELA PETERSON
THATIANNE COUTHEUX TRINDADE
THEO LERNER
TIYOCA HAMAMOTO
TOYOJI KOGIMA JÚNIOR
TSAI MING CHIH
TSAO KUAN HSIN
TURIBIO GUTIERREZ CERQUEIRA
URSULA TROVATO GOMEZ
VALERIA APARECIDA SCARPATO DE NORONHA
VALERIA DA SILVA CUNHA DE SANTANA
VALERIA DORIA MENDES CARNEIRO
VALTER DA CUNHA SALES
VANESSA MARQUES
VANINA ISABEL POCO VIANA LEME DE BARROS
VICTOR BUNDUKI
VINICIUS LIMA RIBEIRO
VIRGINIA DE ABREU TESSITORE
VIVIAN MARIA GHINELLI ZAPATER STOCCHERO
WAGNER RODRIGUES HERNANDEZ
WANG CHIH HUI
WANG LEE YEU
WILSON CARRARA
WU CHUN SHENG
YOSHIMI OKADA
YU TAN LIN
YUKO TORATA NAKANO
YVONE MARIA J. P. E. DE MATHEO

Se você for ex-residente e notar a omissão de seu nome entre em contato conosco (Editor do site hguidi@attglobal.net).

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

RECICLAGEM - Último módulo de 2010


Apoio: Programa de Pós-Graduação Promotor Obstetrícia e Ginecologia FMUSP

Dia 11 de dezembro, sábado, no período da manhã, no Centro de Convenções Rebouças ocorre o último módulo do Programa de Reciclagem em Ginecologia Baseada em Evidências, edição de 2010.

INSCRIÇÕES NO LOCAL POUCAS VAGAS


Confira o programa oficial com pontuação junto à CNA em Ginecologia.
CONCORRA NO SORTEIO DE 3 INSCRIÇÕES GRATUÍTAS PARA A
5a. JORNADA DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DE 2011
Supervisão: Prof. Dr. Edmund Chada Baracat
Coordenação: Profs. Drs. Angela Maggio da Fonseca/ Paulo Serafini/ Vicente Renato Bagnoli
Primeira sessão 08:30-10:30 -
Coordenador: Edmund Chada Baracat FMUSP

08:30-08:50 Genitália Ambígua - Como proceder? - Vicente Renato Bagnoli - FMUSP

08:50-09:10 Amenorréia - Marcos Felipe Silva de Sá - FMRP-USP

09:10-09:30 Sangramento disfuncional do endométrio - Como conduzir? - José Maria Soares Júnior - UNIFESP

09:30-09:50 Hirsutismo e Acne - Poli Mara Spritzer - UFRGS

09:50-10:10 Infertilidade no dia-a-dia do Ginecologista - Paulo Serafini - FMUSP

10:10-10:30 Discussão10:30-11:00 Coffee Break
Segunda Sessão 11:00 - 13:00 -
Coordenador - Tsutomu Aoki FCMSCSP

11:00-11:20 SOP e Infertilidade - Como proceder? - Carlos Roberto Izzo - FMUSP

11:20-11:40 Osteopenia e Osteoporose - Angela Maggio da Fonseca - FMUSP

11:40-12:00 Androgênios na pós menopausa - Cesar Eduardo Fernandes - FMABC

12:00-12:20 TH na pós menopausa - Estado atual - José Mendes Aldrighi – FCMSCSP

12:20-12:40 TH e mama - Afonso Celso Pinto Nazário - UNIFESP

12:40-13:00 Discussão

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

GINECO USP E J&J MEDICAL INNOVATION INSTITUTE

O Medical Innovation Institute e a Clínica Ginecológica do HCFMUSP realizaram Curso de Histeroscopia Avançada no dia 7 de dezembro de 2010.

O programa contou com os seguintes temas:

- Equipamentos em Vídeo-Histeroscopia
Dr. Paulo Margarido

- Histeroscopia: indicações, contra-indicações e complicações.
Dr. Dani Ejzenberg

- Histeroscopia cirúrgica: meios de distensão e energia.
Dr. Paulo Margarido

- Histeroscopia cirúrgica: tratamento de pólipos, miomas e malformações. Ablação endometrial.
Dr. Walter Pinheiro

- Esterilização tubária histeroscópica.
Dr. Walter Pinheiro.

O curso foi voltado para ginecologistas em especialização do HC e Hospital Universitário, além de médicos de outras instituições do Brasil.

O Medical Innovation Institute é mantido pela Johnson & Johnson Inc. e está localizado na cidade de São Paulo. Sua finalidade principal é o treinamento avançado de médicos em diversas áreas da medicina na América Latina. Suas instalações contém o que há de mais moderno em termos de cirurgia laparoscópica e histeroscópica.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Impacto do Diagnóstico de Câncer de Mama e o Transtorno do Estresse Pós Traumático em Mulheres Brasileiras

Sara Bottino*
Dezembro/2010

O câncer é uma doença que interfere e ameaça a trajetória da vida dos indivíduos com intensas repercussões psicossociais. Os pacientes, após receberem um diagnóstico de câncer, substituem suas perspectivas de realização de projetos pessoais como trabalho, casamento e filhos, por preocupações com a gravidade da doença e com os efeitos do tratamento. Essas preocupações persistem com manifestações freqüentes de ansiedade e medo das possíveis recorrências, tornando esses pacientes ‘guardiães da saúde’. A incerteza prognóstica relacionada ao diagnóstico de câncer pode impedir o restabelecimento da ‘segurança’ dos pacientes que têm que conviver com um estressor grave, por um período prolongado de tempo, aumentando os riscos de reações patológicas graves ao estresse (Kangas et al., 2002).



Diagnóstico de Câncer: Um Evento Traumático?
Apesar do câncer de mama ser uma doença potencialmente curável, a experiência do diagnóstico de câncer de mama tem sido considerada traumática para a maioria das mulheres. Em um estudo multicêntrico, as três experiências consideradas mais estressantes por mulheres com câncer de mama, desde a descoberta do nódulo na mama, realização dos exames (biópsias), até a indicação médica e/ou escolha da paciente da cirurgia conservadora ou mastectomia, em ordem, foram: “quando o médico me falou que eu tinha câncer de mama”, “esperando os resultados da cirurgia e/ou dos nódulos axilares”, e “período de espera, antes da cirurgia de mama” (Green et al., 1998). A amostra era constituída de mulheres com escolaridade e nível sócio-econômico altos, foram diagnosticadas nos estágios iniciais e já tinham terminado tratamentos para o câncer de mama, sugerindo a importância do impacto subjetivo do diagnóstico de câncer de mama, mesmo em mulheres com acesso às informações relativas ao câncer e com recursos sócio-econômicos favoráveis.
O “temor à doença” foi uma das dimensões identificadas em um estudo sobre as crenças associadas à prática do auto-exame da mama em mulheres brasileiras de baixa renda, realizado por Gonçalves & Dias (1999), que considerou a implicação dessa crença no estigma freqüentemente associando o câncer como sinônimo de "morte". O câncer é uma doença grave, freqüentemente associada à morte, e o seu aparecimento é imprevisível. Essas características podem contribuir para as respostas agudas e graves de estresse que ocorrem na época em que as mulheres são diagnosticadas com câncer de mama (McBride et al, 2000).
O diagnóstico de câncer de mama foi considerado uma experiência inesperada e incontrolável por 87% das mulheres entrevistadas (n=127), durante o pós-operatório da mastectomia e/ou quadrante (Mehnert & Koch, 2007). Além do diagnóstico de câncer e suas implicações, como medo da morte e da perda da mama, as mulheres se deparam com vários estressores como os procedimentos diagnósticos (biópsias, mamotomia), tratamentos invasivos (quadrantectomia e mastectomia), efeitos colaterais e aversivos da quimioterapia e radioterapia (fadiga, perda do cabelo, náusea), e repercussões na sexualidade e fertilidade (McBride et al., 2000; Hann et al., 1998, Jacobsen et al., 1993; Kaplan HS, 1994). As manifestações de ansiedade e medo das possíveis recorrências persistem durante e após os tratamentos, com a permanência, em alguns pacientes, de sintomas crônicos de estresse (Cordova et al., 1995). Quando os sintomas de estresse agudo ou crônico não são tratados podem contribuir para o sofrimento emocional e redução da qualidade de vida (Andrykowski et al. 1998; Green e cols, 2000).
O diagnóstico de câncer pode precipitar o aparecimento de uma Reação Aguda ao Stress e posterior desenvolvimento do Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT). O diagnóstico de câncer foi incluído entre os estressores que podem precipitar o Transtorno de Estresse Pós-Traumático no último Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais: DSM-IV (American Psychiatry Association, 1994).

Câncer, Modelo de Rede de Medo e Sintomas de Resposta Traumática
Diante de uma situação vivenciada como ameaçadora ou traumática, ocorre uma ativação da ‘rede de medo’ na memória. A rede é composta da informação sobre o evento traumático, das reações fisiológicas ao trauma e da informação enteroceptiva que conecta esses estímulos aos elementos de resposta. A resolução do ‘trauma’ acontece com sucesso quando a rede de medo é ativada tornando possível o acesso de informações que são incompatíveis com o ‘trauma’.
No entanto, algumas características do evento traumático como a gravidade, a imprevisibilidade e a impossibilidade de controle, podem levar às interrupções no processo cognitivo de atenção e memória, impedindo a integração das informações com as estruturas de memória existentes, resultando na formação de uma memória fragmentada (Foa et al., 1989; Brewin et al., 1996). Dependendo da gravidade do estressor, o processo cognitivo de atenção e memória pode ser interrompido, levando a formação de uma memória fragmentada, dificultando a integração com as estruturas de memória. Os sintomas do Transtorno do Estresse Pós-Traumático: TEPT surgiriam quando as informações na rede de medo são incompatíveis com as estruturas de memória pré-existentes.





As características descritas no modelo de rede para explicar o TEPT também estão presentes e potencialmente descrevem a experiência associada ao câncer, como aparecimento imprevisível, ameaça de morte, tratamentos desfigurantes e aversivos, isolamento social, desamparo, as quais podem promover um campo fértil para o surgimento do Transtorno do Estresse Pós-Traumático. A incerteza prognóstica associada ao diagnóstico de câncer impede que a correção da informação sobre a segurança do sujeito seja integrada na ‘rede de medo’ (Kangas et al., 2002). Quando um evento é inesperado, maior é a chance do desenvolvimento de sintomas de TEPT. Quando a recorrência do câncer era inesperada pelos pacientes, a incidência de sintomas de estresse pós-traumáticos como Evitação e Intrusão era maior do que em pacientes que de acordo com o prognóstico, tinham possibilidade de recorrência (Cella et al, 1986).
A Intrusão e a Evitação são mecanismos cognitivos, que de acordo com a intensidade, podem ser considerados sintomas de estresse pós-traumáticos. Os sintomas intrusivos são pensamentos que invadem a mente, imagens e sonhos, que relembram constantemente aspectos da doença e do tratamento. Os sintomas de evitação são caracterizados pela esquiva persistente de estímulos associados com o trauma, evitar pensamentos, sentimentos ou conversas, atividades, locais ou pessoas que ativem a recordação do trauma. Evitar pensar e conversar com o médico, fazer perguntas sobre os tratamentos, não aceitar ou adiar os tratamentos, são reações observadas em pacientes diagnosticados com câncer. Adicionalmente, a negação, que muitos pacientes apresentam, pode inibir o processamento emocional e cognitivo da ‘ameaça’ do diagnóstico de câncer. A negação e/ou evitação poderia limitar a ativação das memórias aversivas e os afetos associados a elas, impedindo a instalação e a correção da rede de medo, resultando em reações patológicas, relacionadas à tentativa de evitar ou suprimir a ativação da rede de medo (Wool, 1998, citado por Kangas et al., 2002). O diagnóstico de câncer ou a recorrência foi incluído entre as doenças que ameaçam a vida como um evento traumático grave, compatível com os critérios do DSM-IV (Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais, American Psychiatry Association, 1994), que pode precipitar o Transtorno de Estresse Pós Traumático – TEPT.

Impacto do Diagnóstico de Câncer de Mama e o Transtorno do Estresse Pós Traumático em Mulheres Brasileiras
Conduzimos um estudo para avaliar o TEPT em um centro de referência especializado em oncologia feminina do Sistema Único de Saúde – SUS: o Centro de Referência da Saúde da Mulher- Hospital Pérola Byington, que recebe mulheres provenientes de várias regiões da capital e do interior de São Paulo, e também do território nacional. Nesse trabalho avaliamos 290 mulheres recém diagnosticadas com câncer de mama, antes do início dos tratamentos. Utilizamos a escala “Post-Traumatic Stress Disorder Checklist-Civilian Version” (PCL-C) para avaliar sintomas de TEPT especificamente relacionados ao diagnóstico, como, por exemplo, ter pensamentos e imagens repetitivos e perturbadores relacionados ao diagnóstico de câncer de mama. A PCL-C consiste de 17 itens que correspondem aos sintomas do DSM-IV para o diagnóstico de TEPT.
Identificamos uma alta prevalência de sintomas de estresse pós-traumático:


Revivescência: 59,6%

Recordações aflitivas, recorrentes e intrusivas



Hiperestimulação: 63,1%
Dificuldades em conciliar o sono, concentração
Irritabilidade, sobressalto



Evitação: 58,2%
Evitar pensamentos e sentimentos sobre o câncer - evitar locais e/ou atividades;
Diminuição do interesse ou participação nas atividades, distanciamento



Podemos considerar que a alta freqüência dos sintomas de hiperestimulação, em mulheres recém diagnosticadas, principalmente a hipervigilância, pode ser atribuída ao aparecimento do câncer, considerado incontrolável e inesperado por mulheres que estavam no início do tratamento, conforme foi descrito por Mehnert e Koch (2007). A imprevisibilidade e a impossibilidade de controle podem repercutir na sensação de ‘segurança’ do sujeito, com aumento da atenção para os sintomas somáticos, e redução na concentração para as outras atividades, levando à irritabilidade, e repercutindo no funcionamento social. O critério de revivescência dos sintomas considera que os pensamentos intrusivos e os afetos são decorrentes do evento que ocorreu. Porém, no contexto do câncer, os pensamentos intrusivos podem estar orientados para o futuro, relacionados à ameaça que a doença representa para a saúde do indivíduo. O trabalho de Green et al. (1998) evidenciou esse aspecto no relato das pacientes, que avaliaram a informação sobre o seu prognóstico como muito mais ameaçadora do que os tratamentos que elas tinham recebido. Kangas et al. (2002) considera que essas preocupações orientadas para o futuro podem ser consideradas como uma revivescência dos sintomas e que elas têm ótima sensibilidade e especificidade para o diagnóstico de TEPT. Os sintomas de evitação, como evitar lembranças sobre o estressor, pode não ser apropriado para pacientes diagnosticadas com câncer, que necessitam ir às consultas médicas e fazer exames pré-operatórios. A incapacidade de recordar um aspecto importante do trauma (amnésia dissociativa) pode ser apropriada para eventos traumáticos únicos, mas, para pacientes com câncer, apresentar amnésia sobre a experiência que estão vivenciando, dificilmente ocorreria. A sensação de futuro abreviado não possui especificidade em pacientes com câncer, porque muitos deles podem temer o futuro por razões de ordem médica e não psicológicas (Kangas et al., 2002). Portanto, esses sintomas podem trazer dificuldades diagnósticas, e é o mais difícil de ser preenchido, por causa de suas características e do número de sintomas necessários, três de sete sintomas, podendo levar a uma diminuição do número de pacientes diagnosticados com TEPT. Identificamos que 17,9% das mulheres poderiam ser diagnosticadas com TEPT, de acordo com os critérios do DSM-IV e 24,5% apresentavam quase todos os critérios para o TEPT, constituindo casos subsindrômicos.
As respostas de estresse pós-traumático ao câncer foram avaliadas em mulheres, que podem apresentar uma melhora espontânea dessas respostas traumáticas, embora os trabalhos revisados apontem para uma cronificação destes sintomas em uma parcela significativa das mulheres. Tradicionalmente, os estudos de pacientes com doenças físicas utilizam escalas de sintomas que resultam em uma avaliação global da sintomatologia, e sofrimento emocional significativo. Entretanto, a utilidade clínica dessas medidas pode ser de valor limitado para identificar o grande número de pacientes que apresentam sintomas psiquiátricos e cujos estados clínicos requerem intervenções específicas.

Considerações Finais
O diagnóstico do câncer em si mesmo pode ser reconhecido como estressor mais do que as potenciais ameaças que se seguem após o diagnóstico (Kangas, 2002). O evento traumático no TEPT em pacientes com câncer é interno e não pode ser evitado. A ameaça à integridade física não é imediata, e o desfecho está orientado para o futuro. Entretanto, os sintomas de TEPT-Câncer avaliados em pacientes após os tratamentos podem estar relacionados à gravidade da doença, ao tipo ou estágio do câncer, a agressividade e/ou efeitos colaterais dos tratamentos e a possibilidade de recorrência, dificultando a identificação do evento traumático que pode precipitar o TEPT (Gurevich, 2002).
Avaliar as reações ao diagnóstico de câncer da perspectiva do TEPT pode orientar o desenvolvimento de intervenções específicas para essa fase, principalmente em populações onde a escassez de recursos, a desigualdade social e os altos índices de violência, podem contribuir tanto para o aumento do TEPT em geral, como também para o TEPT relacionado às condições médicas. Os resultados desse estudo podem alertar para a importância da investigação do TEPT em pacientes com câncer. Esse conceito é pouco utilizado pelos profissionais de saúde, por desconhecimento desse transtorno, e também por valorizar as comorbidades associadas a esse diagnóstico, como os transtornos de ansiedade, depressão, dissociação e pânico. A interferência na qualidade de vida ocasionada pelo TEPT, somada ao prejuízo provocado pelas comorbidades, causam sofrimento, além do dano potencial associado ao eventual retardo para a realização do adequado diagnóstico e tratamento destes pacientes.
Alguns estudos sugerem que o acesso a recursos de tratamento e suporte poderia minimizar os efeitos do trauma sobre a saúde mental das populações. Os conceitos de vulnerabilidade, resiliência e mecanismos de enfrentamento (coping) vêm ganhando importância para a compreensão da adaptação ao trauma. A investigação de mediadores, que possam interferir ou melhorar os mecanismos de enfrentamento e resiliência em pacientes com câncer, podem melhorar a sensação de controle das pacientes sobre o evento traumático.


*Profa. Dra.Sara Mota Borges Bottino
Coordenadora Médica da Psiquiatria do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo

domingo, 5 de dezembro de 2010

Uroginecologia USP reunida

Hoje dia 5 de dezembro de 2010 a Uroginecologia USP realiza sua última reunião do ano.



Reune-se o ano todo, todas as terças-feiras ao meio dia. Hoje a reunião é especial. É de confraternização de uma equipe das mais numerosas e prestigiosas da Ginecologia do HCFMUSP, no passado e no presente. É uma reunião de confraternização em Palos Verdes.



A equipe, multidisciplinar, com ginecologistas, urologistas, fisioterapeutas, enfermeiras, psicólogos e outros profissionais voltados aos problemas uroginecológicos, tem um leque muito grande de atuação. Têm um ótimo relacionamento com todas as demais equipes da cidade de São Paulo, do Brasil e no exterior.



Muitos profissionais e todos os cantos do Brasil e até estagiários do exterior já estiveram aqui participando das suas atividades assistenciais, de ensino e pesquisa.




Dirigida atualmente pelo Dr. Jorge Milhen Haddad o grupo reafirma a sua unidade, selada no passado e com olhos no futuro. Conta com a simpatia da direção da Clínica, em nome do Prof. Baracat e também da editoria do site.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Prof. Edmund Chada Baracat eleito para o Conselho Deliberativo do Hospital das Clínicas

Em eleição que antecedeu a posse do Prof. Dr. Giovani Guido Cerri como novo diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o Prof. Edmundo Chada Baracat, Professor Titular da Ginecologia, foi eleito um dos membros titulares do Conselho Deliberativo do Hospital das Clínicas da mesma faculdade.

O Conselho é parte da chamada Administração Superior da Autarquia Estadual que é o Hospital das Clínicas, juntamente com a Superintendência da instituição e a sua Diretoria Clínica.

O Superintendente do HC é nomeado diretamente pelo Sr. Governador do Estado de São Paulo.
O Diretor Clínico é eleito pelo corpo clínico do Hospital.

Já o Conselho Deliberativo é constituido de Professores Titulares da Faculdade eleitos entre seus pares. Tem seis conselheiros titulares e cinco conselheiros suplentes, além do seu presidente, posto ocupado pelo Diretor da FMUSP.

Cabe ao Conselho definir as diretrizes básicas das atividades médico-hospitalares, de pesquisa, e de cooperação com os cursos da FMUSP.

A Editoria do site e toda a Clínica parabenizam o Prof. Baracat e sentem-se orgulhosos pelo fato.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Uso da vacina contra o HPV em homens.

Licenciamento da Vacina Quadrivalente contra o HPV para o uso em homens e recomendações do Comitê Consultivo em Práticas de Imunizações dos Estados Unidos.

Homero Guidi*
novembro/2010.

Em 16 de outubro de 2009 o FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos licenciou o uso da vacina quadrivalente contra o HPV (Gardasil®) para o uso em homens entre 9 e 26 anos para a prevenção das verrugas genitais causadas pelos papilomavírus humanos do tipo 6 e 11, anteriormente liberada para as mulheres da mesma faixa etária para a prevenção das lesões envolvidas com os HPVs 6, 11, 16 e 18, incluindo o condiloma e lesões pré-cancerosas da vulva, vagina e colo do útero, relacionados em grande parte com os HPVs 16 e 18. A recomendação da vacinação masculina não é universal. Os estudos disponíveis até o momento, baseados em modelos matemáticos, apontam que a imunização desses meninos tem um custo-benefício justificável quando a cobertura vacinal da meninas não atingir 80%, quando focamos o aspecto de saúde pública. A outra indicação precisa é um grupo de risco para as verrugas ano-genitais e também as neoplasias intraepiteliais anais representada por homens que fazem sexo com homens (MSM). Há comprovação de alta eficácia na prevenção das neoplasias intraepiteliais anais. O esquema de vacinação é o mesmo preconizado para as garotas e inclui 3 doses, sendo a segunda dose administrada com intervalo de 1 a 2 meses após a primeira dose e a última, terceira, aplicada seis meses após a imunização inicial. Os intervalos mínimos entre a primeira e segunda dose são 4 semanas. Entre a segunda e a terceira dose são no mínimo 12 semanas de intervalo e entre a primeira e a última 24 semanas. O efeito colateral mais notado é dor leve no local da injeção e eventual síncope em pacientes mais jovens . Contra-indicação formal ao seu uso apenas diante de conhecida hipersensibilidade a leveduras.
Referência e fonte - Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP - Centers for Disease Control and Prevention (CDC)- Secretary of the U. S. Department of Health and Human Services. MMWR, 2010; 59(20): 630-631.

Comentário Editorial
A extensão da vacina quadrivalente contra o HPV é um fato natural e esperado dentro da comunidade dos especialistas envolvidos com a virose. O homem representa um vetor extremamente importante na disseminação da doença e lesões derivadas. Vários aspectos biológicos e anatômicos explicam a menor gravidade das infecções pelo HPV no homem, relativamente ao que se verifica na mulher, notadamente no aspecto oncogênico. A sociedade e os homens, no entanto, pagam um ônus elevado pelas lesões ano-genitais causadas por esses vírus e, em certos grupos (MSM), o aspecto oncológico é idêntico e tão grave quanto o feminino, quando consideramos as neoplasias intraepiteliais anais.
No exterior existe uma preocupação muito grande com a aplicação de modelos matemáticos para a avaliação custo x benefício x eficácia envolvendo as imunizações (e quaisquer outras ações de saúde pública) . Nessa recomendação chama a atenção a informação de quando a imunização masculina passa a ter um investimento justificado, em termos populacionais. A linha de corte é 80% de imunização feminina. Acima disso não há justificativa de incluir os meninos, abaixo os modelos apontam benefício efetivo. Para a prática do urologista brasileiro a questão fica bem clara: a vacinação pública inexiste e a proteção do garoto que ainda vai se iniciar na sua vida sexual é extremamente vantajosa e indicada, desde que haja recursos para esse fim. Em termos de vacinação pública somos de opinião que determinados “bolsões geográficos” dentro do Brasil , como algumas áreas do Nordeste em que o Câncer de colo ainda é muito prevalente e aparece em primeiro lugar entre os cânceres ginecológicos/femininos, muito adiante do câncer de mama a vacinação pública já deveria ter sido feita. Merece comentário ainda a afirmação da ACIP de que “até o momento” a indicação e maior eficácia da vacina é encontrada entre os meninos que ainda não foram expostos ao HPV e que “não existe evidência de eficácia da vacina entre homens já infectados pelo HPV” . Órgãos como a ACIP e o CDC trabalham com evidências e provavelmente os estudos que estão sendo conduzidos em homens deverão alterar esse conceito uma vez que os dados parciais do Lee Moffit envolvendo quase 4000 homens entre 9 e 26 anos com HPV recidivante e que receberam a vacina mostrem que há uma redução de 86% no número de episódios de recorrência dessas lesões em comparação com o grupo controle ( Giuliano & Palefskiy, 2008).

* Homero Gustavo de Campos Guidi é urologista, titular da SBU, Coordenador do Depto. de Doenças Sexualmente Transmissíveis da Soc. Bras. de Urologia, Chefe do Depto. de Assoalho Pélvico da mesma sociedade, Assistente da Clínica Ginecológica do HCFMUSP e editor desse site.

domingo, 28 de novembro de 2010

Cursos e Eventos

Clínica Ginecológica
II Simpósio Brasileiro sobre Análogos do GnRH em Ginecologia
Centro de Convenções Rebouças  - 7 de agosto de 2010
Supervisão  Prof. Dr. Edmund Chada Baracat -  Coordenação  Prof. Dr. Nilo Bozzini
www.congressognrh.com.br
Reciclagem em Ginecologia Baseada em Evidências
Centro de Conveções Rebouças  -  agosto, setembro, outubro e dezembro de 2010
Organização Prof. Dr. Edmund Chada Baracat
(vide Home Page)
Inscrições on line

Fitoginecologia
Em conjunto com a Sobrafito – Sociedade Brasileira de Fitoterapia
Centro de Convenções Rebouças
Organização  Prof. Dra. Ceci Lopes
9 a 11 de novembro de 2010

5ª. Jornada de Obstetrícia e Ginecologia da FMUSP
1º. e 2 de abril de 2011
Centro de Convenções Rebouças
Coordenação Profs. Drs. Edmund Chada Baracat e Marcelo Zugaib
Tema oficial – Dúvidas no Dia-a-Dia do Consultório.

Eventos nacionais
-XI congresso de Ginecologia e Obstetrícia da Infância e Adolescência
Brasilia,  11 a 14 de setembro de 2010.
-XV SOGESP  - Congresso de Ginecologia do Estado de São Paulo
São Paulo, 2 a 4 de setembro de 2010-07-14
-XXIV  Congresso Brasileiro de Reprodução Humana
Goiania, 24 a 27 de novembro de 2010

Eventos internacionais

- Annual Meeting  ICS/IUGA – International Continence Society / International Urogynecological Association
Toronto, Canadá  – 24 a 27 de agosto de 2010
- American Society for Reproductive Medicine – Annual Meeting
Denver, Colorado, USA – 23 a 27 de outubro de 2010
- 13th Biennial Meeting Of the International Gynecologic Cancer Society
Praga, República Tcheca – 23 a 26 de outubro de 2010.

sábado, 27 de novembro de 2010

REUNIÕES DA CLÍNICA GINECOLÓGICA DEZEMBRO

Reuniões Clínicas Científicas

Dezembro de 2010

Quartas-feiras

Dia 01
08h00-09h00 - Conferência: Interrupção da gestação previstas em lei. Aspectos atuais
Palestrante: Prof. Anibal Faundes - UNICAMP
09h00 - Coffee: Lab Hebrom


Dia 08

08h00-09h00 - Reunião Conjunta Departamento de Obstetrícia e Ginecologia
Centro de Convenções Rebouças

Conferência: A evolução do pensamento religioso
Palestrante: Wilson Pollara

09:30 - Comissão de Cuidados Paliativos
Dr. Ricardo Tavares de Carvalho
Presidente da CCP

10h30 - Coffee:


Dia 15

08h00-09h00
Reunião Interna Administrativa
09h00 - Coffee

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Dia 11 de dezembro você tem um compromisso científico com alguns experts.





Apoio: Programa de Pós-Graduação Promotor
Obstetrícia e Ginecologia FMUSP

E. C. Baracat

Marco Sá



Paulo Serafini
Tsutomo Aoki


Carlos Izzo






V. Bagnoli e Angela Maggio


Cesar Fernandes
JM Aldrighi e Afonso Nazário

José M. Soares Jr.






No sábado 11 de dezembro todos esses experts estarão discutindo como proceder diante de temas como Genitália Ambígua, Sangramentos Disfuncionais do Endométrio, Síndrome dos Ovários Policísticos, o que há de novo em Osteoporose e Osteopenia, Androgênios e TH na Menopausa e Mama, Infertilidade, Acne e Hirsutismo.

As discussões são compactas, diretas ao ponto e focadas na prática diária do consultório do ginecologista.

INSCREVA-SE E GARANTA SEU LUGAR


Programa Reciclagem - 11 de Dezembro de 2010

Módulo : Ginecologia Endócrina, Infertilidade e Menopausa


Supervisão: Edmund Chada Baracat

Coordenação: Angela Maggio da Fonseca/ Paulo Serafini/ Vicente Renato Bagnoli
08:30-10:30 Sessão 1 - Coordenador Edmund Chada Baracat
08:30-08:50 Genitália Ambígua - Como proceder? - Vicente Renato Bagnoli - FMUSP
08:50-09:10 Amenorréia Marcos Felipe Silva de Sá - FMRP-USP
09:10-09:30 Sangramento disfuncional do endométrio - Como
conduzir? - José Maria Soares Júnior - UNIFESP
09:30-09:50 Hirsutismo e Acne - Poli Mara Spritzer - UFRGS
09:50-10:10 Infertilidade no dia-a-dia do Ginecologista - Paulo Serafini - FMUSP
10:10-10:30 Discussão
10:30-11:00 Coffee Break
11:00-13:00 Sessão 2 - Tsutomu Aoki
11:00-11:20 SOP e Infertilidade - Como proceder? Carlos Roberto Izzo - FMUSP
11:20-11:40 Osteopenia e Osteoporose - Angela Maggio da Fonseca - FMUSP
11:40-12:00 Androgênios na pós menopausa - Cesar Eduardo Fernandes - FMABC
12:00-12:20 TH na pós menopausa - Estado atual - José Mendes Aldrighi – Santa Casa SP
12:20-12:40 TH e mama - Afonso Celso Pinto Nazário - UNIFESP
12:40-13:00 Discussão

Atualize-se no sábado de manhã e ainda aproveite a tarde para o seu lazer!
Programas registrados na CNA - Comissão Nacional de Acreditação

Pontuação 2,5 pontos. Cadastro no. 21009.

INSCREVA-SE AQUI (Inscrições on line até dia 8 de dezembro).



INSCRIÇÕES
Residentes com comprovação - R$ 80,00

Sócios Sogesp/ Febrasgo(*) - R$ 150,00

Não sócios - R$ 260,00

(*) Sócios adimplentes da Febrasgo ou entidades estaduais federadas à Febrasgo. Lembre-se que a inscrição faz a verificação através do CPF, diretamente no cadastro da Febrasgo. As entidades estaduais é que mantém esse cadastro atualizado. Caso não consiga realizar a sua inscrição on line entre em contato conosco,teremos o máximo prazer em auxiliá-lo.

Maiores informações eventosginecologia@hcnet.usp.br
fone fax 11 3069 7192 Sra. Eunice

=====================================================
Notícias

Curso Intensivo de Histeroscopia da Clínica Ginecológica da USP 2011Coordenação Dr. Walter Pinheiro

Supervisão Prof. Dr. Edmund C. Baracat





Reserve essas datas na sua agenda:

20 e 21 de maio de 2011
(sexta e sábado)

Dos equipamentos e diagnose à cirurgia.

Um curso prático, com poucas vagas e treinamento individual. Cirurgias presenciais.

Pré-requisitos - ser médico regularmente inscrito no CRM, ginecologista com residência completa e/ou TEGO.

Vagas limitadas.

=================================================
Ginecologia USP marca presença no 19th Annual Congress ESGE
European Society for Ginecological EndoscopyPalau de Congresos de Catalunya 29 setembro a 2 outubro de 2010

Num congresso que reuniu mais de 1.800 especialistas dessa promissora área da Ginecologia, a Clínica Ginecológica da FMUSP marcou presença com a apresentação de alguns trabalhos, publicados na Gynecological Surgery, órgão oficial da ESGE, em seu volume 7 supp 1 Oct 2010, publicado pela editora Springer Verlag





Entre outros: "Comparative study between D&C and hysteroscopy resection in the treatment of endometrial polyps", "Acute renal failure after surgery for hysteroscopic polypectomy - case report" e Polipectomy hysteroscopic with thermal damage of the intestinal wall and ureter - case repor" de Pinheiro, WS, Baracat, EC et al. Confira os abstracts nas páginas S148 e S200 .

sábado, 20 de novembro de 2010

LIVRE DOCÊNCIA NA GINECOLOGIA USP

Dias 23 e 24 de novembro de 2010

Dr. Paulo Serafini, membro do staff da Clínica Ginecológica e chefe do Centro de Reprodução Humana "Mário Covas", ligado ao Hospital das Clínicas, defende a sua Livre-Docência.
Programa do Concurso de Livre-Docência
Dia 23 de novembro (terça-feira)08hOO- Instalação da Comissão Julgadoraa seguir - Apresentação do tema para a Prova Didática08h15 - Conhecimento da lista de pontos para a Prova Escritaa seguir - Prova PráticaLocal: 10° andar -ICHC - Disciplina de GinecologiaAo término da prova prática - elaboração dos relatórios e atribuição das notas da Prova Prática11hOO- Prova DidáticaLOCAL: Sala da CongregaçãoAo término da prova didática - elaboração dos relatórios e atribuição das notas da Prova2° DIA -24/11/201008h15 - Sorteio do ponto para a Prova EscritaProva Escrita13h30 - Leitura da Prova EscritaAo término da leitura - elaboração dos relatórios e atribuição das notas da Prova Escrita.A seguir - Julgamento de Memorial com Prova Pública de Argüição e Defesa de TeseLOCAL: Sala da CongregaçãoAo término dessa última etapa - elaboração dos relatórios e atribuição das notas do Julgamento de Memorial, Prova Pública de Argüição e da Defesa de Tese.Lançamento das notas de todas as provas no Boletim de Apuração Final.Encerramento do Concurso.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Expressão qualitativa de genes relacionados à atividade de células tronco em mulheres inférteis com endometriose peritoneal

16/11/2010 Paula Beatriz Tavares Fettback DD
Tema
Expressão qualitativa de genes relacionados à atividade de células tronco em mulheres inférteis com endometriose peritoneal
Introdução: As células tronco podem contribuir na patogênese da endometriose. Os objetivos deste estudo foram avaliar e comparar a expressão de genes relacionados à atividade das células tronco no endométrio tópico (Et), peritônio normal (PN) e nos implantes de endometriose peritoneal superficial e profunda (EPS/EPP) de mulheres inférteis com endometriose. Métodos: Vinte e quatro amostras de Et, PN, EPS e EPP foram obtidas durante laparoscopia de seis pacientes. A expressão de 84 genes relacionados à atividade de células tronco foi avaliada pela técnica de transcrição reversa e reação em cadeia de polimerase (RT-PCR). Resultados: Todos os genes foram expressos no Et, PN, EPS e EPP. Não houve diferença entre o PN, EPS e EPP. Não houve diferença quando as lesões de EPS e EPP foram comparadas entre si. Comparados ao Et, 24, 49 e 45 genes foram diferencialmente expressos no PN, EPS e EPP, respectivamente. Destes genes diferencialmente expressos 23 eram comuns. A análise funcional dos 23 genes evidenciou 5 genes comumente superexpressos (genes reguladores do ciclo celular; comunicação celular e marcador de células embrionárias) e 18 subexpressos (fatores de crescimento; marcadores de células neurais; marcador de auto-renovação; marcador de células embrionárias; divisão celular simétrica e assimétrica; marcadores de células hematopoiéticas; comunicação celular, via de sinalização Notch; via de sinalização Wnt; marcador de células mesenquimais; marcador metabólico e moduladores do cromossomo e da cromatina). Conclusões: Os genes relacionados à atividade de células tronco estavam expressos no endométrio tópico, nas lesões de endometriose peritoneal superficial e profunda e no peritônio normal. A expressão gênica foi mais semelhante no peritônio normal e nas lesões de endometriose peritoneal superficial e profunda, comparadas ao endométrio tópico. Não se observaram diferenças significantes na expressão gênica entre as lesões de endometriose peritoneal superficial e profunda

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Triple-Negative Breast Cancer / Atualização Relâmpago

Conteúdo Técnico apenas para Médicos.

Triple-Negative Breast Cancer
Review article
Current Concepts: Triple-Negative Breast Cancer
W.D. Foulkes, I.E. Smith, and J.S. Reis-Filho



N Engl J Med 2010; 363:1938-48. November 11, 2010

Artigo de revisão sobre Câncer de Mama Triplo-Negativo publicado hoje, 11 de novembro de 2010, no New England Journal of Medicine.

Definição

Os tumores de mama triplo-negativos são definidos como tumores que perdem a expressão dos receptores de estrógeno e progesterona e do gene HER2. Seu rápido crescimento e ocorrência em mulheres jovens podem tornar a difícil a sua detecção pela mamografia.


Pérolas Clínicas

* Qual é a epidemiologia do câncer de mama triplo-negativo.

Tumores triplo-negativos somam em torno de 15% de todos os cânceres de mama invasivos. Eles ocorrem mais frequentemente em mulheres jovens da raça negras e hispânicas do que em mulheres de outros grupos raciais ou étnicos.

* Quais são as manifestações clínicas do câncer de mama triplo negativo?

Tumores triplo-negativos e o câncer de mama do tipo basal tendem a ser maiores em volume do que outros subtipos de câncer de mama. Geralmente são de alto grau histológico e carcinomas ductais invasivos, sem um tipo histológico em especial. Diferenças no status nodal são menos pronunciadas, mas uma grande casuística já publicada mostrou que o câncer de mama do tipo basal é mais comumente linfonodo-negativo, comparativamente a outros tipos de câncer de mama. ,

* Qual é o principal fundamento, a base, do tratamento de pacientes com câncer de mama triplo-negativo?

Mulheres com câncer de mama triplo-negativo não se beneficiam de terapia endócrina ou com trastuzumab.
A quimioterapia é atualmente o principal recurso no tratamento dessas pacientes, apesar das pacientes com esse tipo de doença, quando consideradas como um grupo, apresentarem um resultado pior após a quimioterapia, comparativamente àquelas com outros tipos de câncer de mama.

* Qual é o prognóstico para o câncer de mama triplo-negativo?

Vários estudos têm indicado que o tumor triplo-negativo e o câncer de mama do tipo basal, como grupo, estão associados com um prognóstico ruim.

A forma da curva de sobrevida para pacientes com esses dois tipos de tumores difere daquela das pacientes com outros tipos de tumores: há uma queda aguda na sobrevida durante os primeiros 3 a 5 anos após o diagnóstico, mas uma recorrência tardia, após esse intervalo de tempo, é muito menos comum. Ambos os tipos de tumores de mama são mais propensos a apresentar metástases para vísceras, particularmente pulmões e cérebro, e têm menor propensão às metástases ósseas .

(Transcrito de Alerta On line do N Eng J Med - 11/11/2010)

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Fitoginecologia – Aspectos Práticos

Centro de Convenções Rebouças

9, 10 e 11 de novembro de 2010.


Curso com a chancela da Sobrafito – Associação Médica Brasileira de Fitomedicina.





Assuntos:
Fitoterapia em Ginecologia com ênfase no uso em vulvovaginites, tensão pré-menstrual e dismenorréia, na transição menopausal e na pós-menopausa, climatério e outras aplicações.





Veja entrevista com a Dra. Ceci Lopes no Blog Notícias e Eventos





P R Ê M I O S DURANTE O CURSO
-Os participantes concorrerão ao sorteio de diversos exemplares de literatura médica específica de Fitoginecologia por cortesia da Livraria Atheneu, no final das sessões do curso, durante todos os dias.
-Sorteio de inscrições para o VCongresso Brasileiro de Fitomedicina em março de 2011 - Sobrafito
-Sorteio de convites para I Encontro de Amigos da Fitomedicina ( 4 dezembro 2010).
-Sorteio de Inscrições para a 5a. Jornada de Obstetrícia e Ginecologia da USP
-----------------------------------------------------------------------------------------
Inscrições On Line(ENCERRADAS)Inscrições diretamente no local.


Atenção :
Sócios da SOBRAFITO que não são associados à FEBRASGO/SOGESP podem fazer inscrição pelo preço da categoria Médicos Associados, apenas no local, comprovando estar quite com a SOBRAFITO.

NO LOCAL
Médicos residentes R$ 80,00

Sócios Febrasgo/Sogesp(*) R$ 140,00

Médicos não sócios R$ 260,00

(*) observação - Sócios adimplentes da Febrasgo ou entidades estaduais federadas à Febrasgo. Lembre-se que a inscrição faz a checagem através do CPF diretamente no cadastro da Febrasgo. As entidades estaduais é que mantém esse cadastro atualizado. Caso não consiga realizar a sua inscrição on line entre em contato conosco.

Maiores informações eventosginecologia@hcnet.usp.br
fone fax 11 3069 7192 Sra. Eunice
=====================================================

Programa do Curso - 09, 10 e 11 de Novembro de 2010


09/11/2010 - terça-feira


18:30 -19:00 Secretaria – Inscrições e material
19:30 - 20:15 Fitoterapia: Conceitos Gerais - Eduardo Pagani - SOBRAFITO
20:15 - 20:30 Discussão
20:30 - 21:00 Coffee Break

21:00 - 21:45 Fitoterapia: O que mostram as Evidências - Eduardo Pagani - SOBRAFITO
21:45 - 22:00 Discussão

10/11/2010 - quarta-feira

18:30 -19:00 Secretaria

19:30 - 20:15 Fitoterápicos em Vulvuvaginites - Lana Maria Aguiar - HCFMUSP

20:15 - 20:30 Discussão

20:30 - 21:00 Simpósio patrocinado ACHÉ ("snack box").
Palestra com o Dr. Odair Albano

Médico Ginecologista/obstetra formado pela Unicamp/TEGO-FEBRASGO/ Administração em Saúde (FGV-SP)
Especialista em Fitomedicamentos.
Autor de capítulo do livro "Fitomedicamentos na Prática Ginecológica e Obstétrica" da Dr. Sonia Maria Rolim Rosa Lima - Editora Atheneu e também em capítulo no livro "Fitoestrogênios" do Dr. Edmund Baracat; Geraldo R. de Lima e Mauro Abi Haidar.

Secretário de Saúde Campinas, Vice Presidente COSEMS-SP, Conselheiro CES-SP e membro C.T.MS (1997-2000)
=====================================================

Continuação do programa do dia 10/11

21:00 - 21:45 Sexualidade Feminina e fitoterápicos. - Sonia Maria Rolim Rosa Lima- FCMSCSP

21:45 - 22:00 Discussão

11/11/2010 - quinta-feira

18:30 -19:00 Secretaria
19:30 - 20:15 Fitohormônios nas transição menopausal e na pós-menopausa - José Maria Soares Junior - UNIFESP

20:15 - 20:30 Discussão

20:30 - 21:00 Coffee Break

21:00 - 21:45 Tensão Pré-Menstrual e Dismenorréia. - Lucia de Fátima Cahino da Costa Hime / UNISA

21:45 - 22:00 Discussão

=====================================================

Entrevista com a Dra. Lúcia Hime, palestrante do Curso de Fitoginecologia , UNISA.

1-Doutora Lucia, a senhora vem utilizando fitoterápicos no seu dia-a-dia como ginecologista? Qual a sua impressão?


Como autêntica nordestina sempre tive as plantas fazendo parte do arsenal de substâncias utilizadas no tratamento das mais variadas afecções. Claro tudo feito de maneira observacional. A partir do momento que começamos a encontrar evidências científicas que comprovam o que antes era só observacional o meu interesse ficou cada vez maior e desde então introduzi a prescrição de fitoterápicos na minha vida médica.
Quanto a minha impressão, acho que a crença do médico é passada para os seus pacientes portanto a partir do momento que acredito meus pacientes se sentem seguros e em raras situações não aceitam a prescrição.

2-Doutora Lucia, a senhora utilizou óleo de borragem como tratamento do climatério nos seus estudos tanto para seu mestrado, como para seu doutorado. Quanto isso mudou a sua conduta no caso do atendimento dessas pacientes, desde então?

Não falaria que mudou minha conduta. Diria que encontrei mais uma opção para o tratamento dos sintomas do climatério.

3-A senhora acha que, no dia-a-dia do ginecologista, há lugar para o uso de fitoterápicos, com vantagem em relação a outros medicamentos?

Acho que a prescrição de fitoterápicos de maneira consciente e com respaldo científico encontra lugar de destaque no dia a dia do ginecologista. Acho que nenhum medicamento apresenta vantagem em relação ao outro. Cada um tem sua indicação precisa.

4-A senhora, como chefe da clínica ginecológica na UNISA, tem muito contacto com alunos e residentes. Qual a sua impressão sobre a aceitação por parte desses jovens, sobre os fitoterápicos? É diferente do que a senhora observa, quanto a profissionais mais antigos?

Sim. Nos dias atuais existe um interesse cada vez mais crescente por terapias não consideradas convencionais . Na faculdade temos ambulatório de acupuntura e de fitoterapia e percebemos uma grande procura por parte dos alunos. Estamos pensando em criar cursos de extensão na universidade para que possamos oferecer capacitação.

5- Qual a sua opinião em relação à formação das novas gerações, quanto aos fitoterápicos? Mudanças curriculares? Cursos independentes?

Na minha opinião deveríamos ter dentro da grade curricular do curso de medicina a disciplina de fitoterapia. É muito importante que se ensine o mecanismo de ação e a prescrição. Acho que só dessa forma vamos parar de ouvir a frase irritante “ Se bem não faz, mal não faz”.


=====================================================





Profa Dra Sônia Maria Rolim Rosa Lima
Profa Adjunta do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia
Faculdade de Ciências Médicas Santa Casa de São Paulo
Pioneira em Fitoginecologia e autora de vários livros sobre o assunto.


1- Dra Sonia, a senhora tem o primeiro ambulatório de fitoterapia em ginecologia num serviço universitário no Brasil. Qual a sua impressão sobre o interesse e a procura dessa terapia por parte das pacientes?

Realmente, nos últimos anos, muito se tem ouvido falar sobre medicamentos que possuem como característica comum serem derivados de produtos ativos de plantas: os fitomedicamentos. Vale lembrar que no Brasil, em 2005, a 11a Conferência Nacional de Saúde recomendou, com ênfase, a implementação de Programa de Fitoterapia na rede pública, com regularização do uso de plantas medicinais, garantindo parcerias com Universidades para pesquisas e controle de qualidade, sob a fiscalização da Vigilância Sanitária. Recomendou, ainda, a regulamentação da produção e comercialização de produtos fitoterápicos e plantas medicinais, bem como a implementação de programas de incentivo ao desenvolvimento de projetos de fitoterapia e o fomento à implantação de laboratórios fitoterápicos, inseridos dentro da política de assistência farmacêutica do Estado.
Em decreto publicado no DOU, em 18.02.2005, foi criado o Grupo de Trabalho Interministerial com o objetivo de formular a proposta da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, o que demonstra a preocupação do Estado com essa área da terapêutica, ainda pouco explorada de forma científica, no país.
Desde 1998, após a participação no Encontro Anual de Especialistas da Sociedade Norte Americana de Climatério (NAMS), o interesse pelos produtos derivados de princípios ativos provenientes de plantas foi-nos despertado e pudemos observá-lo, também, entre os profissionais de saúde dos Estados Unidos e do mundo, apesar de ser assunto de sobejo discutido no continente europeu. Trouxemos então a proposta de abrir linha de Pesquisa sobre o tema e tivemos a aprovação do Curso de Pós-Graduação do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Quanto à criação do Ambulatório foi consequência do fato de termos alunos interessados também em fazer pesquisa científica e teses no assunto. Existe também excelente demanda e aceitação por parte das mulheres que procuram e participam dos trabalhos de pesquisa.

2- Em quais situações há maior procura e necessidade do tratamento com fitoterápicos?

Parafraseando as palavras do saudoso Professor José Júlio de Azevedo Tedesco “Considerando-se que os medicamentos sintéticos tiveram sua origem há pouco mais de cem anos, verifica-se que a arte de curar e, dentro deste contexto, a história da própria Medicina, está intimamente ligada ao uso das plantas medicinais. Desde a mais remota Antigüidade, as plantas medicinais fazem parte do arsenal terapêutico do curador. Em escritos considerados os mais antigos, há cerca de 3000 anos a.C os chineses faziam referências à raiz do ginseng como a cura para todos os males; relatavam, ainda, o uso do ruibarbo, do acônito e da cânfora. Hipócrates (460 – 377 a.C.), considerado o “pai da Medicina”, seguido de outros como Dioscórides e Galeno, indicava, para cada doença, ao lado de tratamentos considerados adequados, o tratamento vegetal correspondente. Assim evoluiu o uso de fitomedicamentos até os dias atuais. Em 1978 a Organização Mundial de Saúde, levando em consideração o uso histórico dos vegetais, a facilidade de obtenção, o baixo custo e os efeitos benéficos, determinou o início de programa mundial com o objetivo de avaliação e utilização destes métodos naturais para a cura das doenças”.
Portanto podemos dizer que, em todas as especialidades médicas há medicamentos fitoterápicos que podem ser indicados.



3- Quais as principais vantagens no uso desses fitomedicamentos?


Trata-se de medicamentos então acreditamos que o conhecimento de suas indicações e contra-indicações devam ser respeitadas. A aceitação e a adesão por tratamento com fitoterápicos são altas. O médico deverá saber qual a terapia mais indicada para cada caso. Somos a favor do conhecimento de todas as opções terapêuticas reconhecidas pelos órgãos governamentais sempre visando o melhor para nossa paciente.


4- Qual a sua opinião sobre a possibilidade de desenvolvimento de novos produtos, a partir do uso em ambulatório universitário?

Muito interessante e creio que tal prática deva ser incentivada; novas pesquisas deverão se realizadas em parceria com Laboratórios conceituados, após prévia análise e aprovação dos respectivos Comitês de Ética das Instituições de Ensino.


5- A indústria farmacêutica tem sido acusada de ser contra a fitoterapia, porque plantas não podem ser patenteadas. No entanto, grande número de medicamentos é originado de plantas. Qual sua opinião?

Quando verificamos o grande número de medicamentos derivados de plantas produzidos por Indústrias Farmacêuticas de renome nacional e internacional, reconhecidas pelos Órgãos competentes no Brasil, causa-me estranheza tal afirmação. Creio que deva ser oriunda de pessoas mal informadas.


6-Como docente de uma das mais respeitadas Faculdades de Medicina do país, o que pensa sobre o interesse dos alunos de medicina sobre os fitoterápicos?


Creio ser dever de todo Professor mostrar de modo franco e honesto as indicações e contra-indicações de qualquer medicamento. Procuramos desenvolver em cada um o senso crítico, mostrando as diferentes opções terapêuticas. Sabemos que, grande parte da cura depende da adesão ao medicamento, e este fato relaciona-se diretamente com o modo de atendimento do médico responsável. O conhecimento do uso, as explicações competentes das características próprias cada medicamento são fatores primordiais no sucesso terapêutico. O Professor interessante e interessado pode passar estas recomendações de modo claro e transparente. Notamos interesse crescente dos alunos no tema.



7- Quais sugestões faria no intuito de aumentar o conhecimento desse ramo na classe médica?


Há necessidade de incremento da parceria entre Laboratórios e Centros de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação. Há produtos já regulamentados e muitos outros em fase de pesquisa. O incentivo governamental também é fundamental. Voltando a minha primeira resposta: “....recomendou, ainda, a regulamentação da produção e comercialização de produtos fitoterápicos e plantas medicinais, bem como a implementação de programas de incentivo ao desenvolvimento de projetos de fitoterapia e o fomento à implantação de laboratórios fitoterápicos, inseridos dentro da política de assistência farmacêutica do Estado.” Creio que os setores citados deveriam seguir esta recomendação!



=====================================================


Entrevista com a Dra. Lana Maria de Aguiar – Assistente Doutora e Chefe do Setor de Patologia Vulvar da Clínica Ginecológica do Hospital das Clínicas da FMUSP.
Dra Lana participa do Fitoginecologia em novembro falando do uso de Fitoterápicos em vulvovaginites.





1) Qual é a sua impressão sobre o uso de fitoterápicos para o tratamento de afecções vulvares?


Quando tratamos as doenças vulvares, muitas vezes lançamos mão de fitoterápicos, que associados a antibióticos, antifúngicos, antivirais e outros medicamentos pertinentes para cada caso. Essa abordagem é o que se denomina atualmente a terapia integrativa. Uma terapêutica mais abrangente.


2) Qual sua opinião e experiência com o uso de fitoterápicos em outros problemas do trato genital inferior?

Muitas vezes algumas doenças vaginais (como as leucorréias / corrimentos) são tratadas com medicação fitoterápica, quer seja por via vaginal, quer seja para banhos de assento, externos, fazendo o tratamento da região vulvovaginal. A nossa experiência é maior com o uso de fitoterápico na região externa (vulva)

Costuma utilizar os fitoterápicos em outras situações? Quais?

Além das afecções vulvares, principalmente ligadas ao prurido vulvar e prurido sistêmico, nas quais podemos usar um fitoterápico (óleo de prímula), também o usamos na dor mamária (mastodínia ou mastalgia), tensão pré-menstrual e climatério

Qual o seu conselho aos mais jovens em relação aos fitoterápicos?

Penso que a medicina integrativa seja uma forma válida de melhorar as condições das pacientes. Acredito que em doenças com condutas bem estabelecidas, como as DSTs (doenças sexualmente transmissíveis ), por exemplo, não devamos trocar o antibiótico ou antiviral já recomendado e reconhecido. Em algumas eventualidades, no entanto, podemos usar a terapia fitoterápica associada a chamada terapia convencional conjuntamente e com reais benefícios às pacientes.

--------------------------------------
Conceitos novos - Aprendendo

A Medicina Integrativa é a prática terapêutica que aborda de forma integral e completa o processo de cura do paciente, envolvendo sua mente, corpo e espírito. Ela combina a Medicina Convencional com as práticas de Medicina Complementares, que tenham se mostrado mais promissoras. Exemplo: usar conhecimentos de relaxamento para reduzir o estresse durante a quimioterapia


Dr Paulo de Tarso Lima



Médico Responsável pelo Setor de Medicina Integrativa e Complementar do Programa Integrado de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo/SP.
-------------------------------------------------------------------
====================================================================







Reciclagem em Ginecologia Baseada em Evidências
Centro de Convenções Rebouças – São Paulo


Atualize-se no sábado de manhã e ainda aproveite a tarde para o seu lazer!

Programas registrados na CNA - Comissão Nacional de Acreditação

Pontuação 2,5 pontos. Cadastro no. 21009.

INSCREVA-SE AQUI (Inscrições on line somente até dia 8 de dezembro).



INSCRIÇÕES

Residentes com comprovação - R$ 80,00

Sócios Sogesp/ Febrasgo(*) - R$ 150,00

Não sócios - R$ 260,00

(*) observação - Sócios adimplentes da Febrasgo ou entidades estaduais federadas à Febrasgo. Lembre-se que a inscrição faz a checagem através do CPF diretamente no cadastro da Febrasgo. As entidades estaduais é que mantém esse cadastro atualizado. Caso não consiga realizar a sua inscrição on line entre em contato conosco.


Maiores informações eventosginecologia@hcnet.usp.br
fone fax 11 3069 7192 Sra. Eunice


===============================================================

Programa Reciclagem - 11 de Dezembro de 2010

Módulo : Ginecologia Endócrina, Infertilidade e Menopausa


Supervisão: Edmund Chada Baracat

Coordenação: Angela Maggio da Fonseca/ Paulo Serafini/ Vicente Renato Bagnoli

08:30-10:30 Sessão 1 - Coordenador Edmund Chada Baracat

08:30-08:50 Genitália Ambígua - Como proceder? - Vicente Renato Bagnoli - FMUSP

08:50-09:10 Amenorréia Marcos Felipe Silva de Sá - FMRP-USP

09:10-09:30 Sangramento disfuncional do endométrio - Como
conduzir? - José Maria Soares Júnior - UNIFESP

09:30-09:50 Hirsutismo e Acne - Poli Mara Spritzer - UFRGS

09:50-10:10 Infertilidade no dia-a-dia do Ginecologista - Paulo Serafini - FMUSP

10:10-10:30 Discussão

10:30-11:00 Coffee Break

11:00-13:00 Sessão 2 - Tsutomu Aoki

11:00-11:20 SOP e Infertilidade - Como proceder? Carlos Roberto Izzo - FMUSP

11:20-11:40 Osteopenia e Osteoporose - Angela Maggio da Fonseca - FMUSP

11:40-12:00 Androgênios na pós menopausa - Cesar Eduardo Fernandes - FMABC

12:00-12:20 TH na pós menopausa - Estado atual - José Mendes Aldrighi – Santa Casa SP

12:20-12:40 TH e mama - Afonso Celso Pinto Nazário - UNIFESP

12:40-13:00 Discussão

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Propedêutica da Endometriose

Patrick Bellelis, Sérgio Podgaec, João Antônio Dias Jr, Luiz Flávio Cordeiro Fernandes, Mauricio Simões Abrão
Junho 2010


1. Introdução

1.1 – Quadro Clínico
Os sintomas da endometriose são variáveis e podem estar relacionados à localização da doença. As queixas mais freqüentes de mulheres com endometriose são dismenorréia, dispareunia de profundidade, dor pélvica crônica e alterações intestinais e urinárias durante o período menstrual, como dor e sangramento. Muitas mulheres percorrem consultórios ginecológicos por mais de 7 anos até se estabelecer o diagnóstico definitivo da doença.
O diagnóstico de endometriose deve ser considerado em todas as mulheres em idade reprodutiva com as queixas descritas acima. A associação de sintomas com alterações do exame físico são bastante indicativas de doença. Em 2005, Fauconnier e Chapron publicaram os principais sintomas álgicos relacionando com os locais acometidos pela doença e a tabela 1 resume estes sintomas.


1.2 – Classificação
A maioria dos serviços utiliza classificação da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), que divide em 4 grupos: mínima (I), leve (II), moderada (III) e severa (IV), como podemos observar na figura 1. No entanto, essa é uma classificação que recebe muitas criticas pois não relaciona-se à intensidade da dor, nem com o prognóstico de melhora desta com a realização dos tratamentos clínicos ou cirúrgicos, além de não valorizar os focos de endometriose em órgãos como intestino, bexiga e ureteres, relacionados à quadros mais graves da doença.

Figura 1 – Estadiamento de endometriose da American Society for Reproductive Medicine – ASRM – 1996



2. Avaliação por métodos de imagem

Atualmente, a avaliação cuidadosa permite a determinação dos locais de doença, o que possibilita programar de forma adequada o tratamento e antecipar possíveis dificuldades cirúrgicas e eventuais complicações intra-operatórias. O exame físico e a realização dos exames auxiliares são muito importantes para o planejamento terapêutico.
Os principais métodos de imagem utilizados para o diagnóstico da endometriose profunda são: ultrassonografia endoscópica transretal (USTR), ultrassonografia transvaginal (USTV) e ressonância magnética (RM).
Atualmente pode-se considerar a USTV (principalmente com preparo intestinal) como o exame de primeira linha na avaliação da endometriose profunda devido à sua alta acurácia, menor custo, maior numero de equipamentos instalados e à possibilidade de avaliar os demais sítios da doença, mas, para a sua realização a contento são necessários profissionais e protocolos especializados.
Sendo assim, um protocolo sugerido para avaliação das pacientes com suspeita de endometriose pode ser visualizado na figura 2.


Figura 2 – Orientação propedêutica no diagnóstico da endometriose – Protocolo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.
QC=quadro clínico; USTV = Ultrassonografia transvaginal; USTR = Ultrassonografia transretal; RM = Ressonância Magnética

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O papel das tubas uterinas no câncer de ovário

Jesus Paula Carvalho

Câncer de ovário é a neoplasia maligna ginecológica mais agressiva. Tem a maior morbidade e a maior taxa de mortalidade. A sobrevida de 5 anos é alcançada por menos de 50% das pacientes, mesmo com os melhores tratamentos cirúrgicos e quimioterápicos. Para agravar ainda mais o cenário, as diversas tentativas de estabelecer programas de prevenção, rastreamento e diagnósticos precoces da doença têm apresentado resultados decepcionantes.

A possível solução deste grande desafio é sem dúvidas conhecer melhor a carcinogênese ovariana e desta forma, talvez possam surgir estratégias novas e eficientes para prevenir, detectar precocemente ou mesmo tratar esta doença de tamanha gravidade. Neste breve artigo apresentamos um dos tópicos mais atuais e interessantes da carcinogênese ovariana que é o papel das tubas uterinas.

Existe um grupo de mulheres de altíssimo risco para câncer de ovário. São as mulheres com mutação dos genes BRCA1 e BRCA2(1). Familias com dois ou mais casos de câncer de ovário têm 50% de chance de apresentarem mutações nestes dois genes. Na população geral, 5 a 15% dos carcinomas ovarianos são decorrentes de mutações BRCA1/BRCA2(1-3).

Para estas pacientes com mutação confirmada dos genes BRCA1/BRCA2, o risco de desenvolver câncer de ovário ao longo da vida pode chegar a 60%, o que é um risco exageradamente alto para uma doença tão grave. Por este motivo, as pacientes com mutação do BRA1/BRCA2 têm sido orientadas a fazer ooforectomia profilática aos 35 anos de idade(4, 5).

No exame anatomopatológico dos espécimens retirados profilaticamente destas pacientes com mutação, encontra-se carcinoma seroso em proporções que variam de 2,3 a 17%(6-8).  O mais interessante é que estes carcinomas subclinicos, encontrados em exames de especimens supostamente normais, encontram-se não nos ovários como era de se esperar, mas nas tubas uterinas. E nas tubas uterinas em grande parte das vezes o carcinoma encontra-se na forma in situ. Isto confirma que a doença realmente originou-se nas tubas e não nos ovários.

Outro fato intrigante é que enquanto o carcinoma in situ ou neoplasia intra-epitelial é uma entidade comum na vulva, vagina, colo do útero e mesmo no endométrio, praticamente não existe carcinoma in situ do ovário, ou se existe o diagnóstico é excepcional. Por outro lado, as tubas uterinas foram tidas por muito tempo como sítios raros de tumor, mas agora com o estudo sistemático em pacientes de alto risco para câncer de ovário, com mutação do BRCA1/BRCA2, verifica-se que a neoplasia intra-epitelial tubárica e mesmo o carcinoma seroso primário da tuba uterina é uma entidade não tão rara quanto se julgava anteriormente, e a região mais propensa ao inicio do câncer nas tubas, são as terminações das fimbrias onde existe a transição do epitélio ciliar tubárico com o mesotélio peritoneal(6, 8-24).

Desta forma, pode se concluir que as tubas uterinas é o sítio de origem  de pelo menos uma parcela importante dos carcinomas serosos anteriormente atribuídos aos ovários. Talvez não seja o sitio de origem de todos os carcinomas serosos, mas pelo menos nas pacientes com mutação do BRCA1/BRCA2, a grande soma de evidências apontam neste sentido.

Considerando-se que o carcinoma seroso inicia-se na transição do epitélio de revestimento tubárico com o mesotélio peritoneal, pode-se especular que existem fatores que aumentariam o risco de transformação neoplásica nesta transição dos dois epitélios.

Os ginecologistas conhecem bem a transição entre o epitélio escamoso do colo do útero e o epitélio glandular endocervical e sabem que este é o sítio preferencial para o inicio do carcinoma do colo do útero. Nesta área crítica chamada junção escamo-colunar existe dois fatores carcinogênicos importantes: a inflamação crônica e um agente biológico, o papilomavirus humano (HPV)(25).

Outra situação similar ocorre na junção do epitélio escamoso esofágico com o epitélio glandular gástrico. Este sítio também é zona de alto risco para o aparecimento do câncer e é sede de inflamação crônica e tem um agente biológico relacionado com o câncer, o H.pylori(26).

Nas tubas uterinas existe a transição entre o epitélio ciliar tubárico e o mesotélio peritoneal; existe inflamação crônica de várias etiologias, sendo a mais persistente e assintomática a inflamação crônica da infecção por Chlamydia trachomatis. Se estes fatores podem induzir ao câncer de ovário em pacientes suceptiveis geneticamente, é uma hipótese a ser comprovada(27). De qualquer forma, é recomendável incluir a salpingectomia bilateral nas pacientes em quem se deseja reduzir cirurgicamente o risco de câncer de ovário.

Referências bibliográficas

  1.  Ramus SJ, Gayther SA. The contribution of BRCA1 and BRCA2 to ovarian cancer. Mol Oncol. 2009;3: 138-50.
  2. Soegaard M, Kjaer SK, Cox M et al. BRCA1 and BRCA2 mutation prevalence and clinical characteristics of a population-based series of ovarian cancer cases from Denmark. Clin Cancer Res. 2008;14: 3761-7.
  3. Risch HA, McLaughlin JR, Cole DE et al. Prevalence and penetrance of germline BRCA1 and BRCA2 mutations in a population series of 649 women with ovarian cancer. Am J Hum Genet. 2001;68: 700-10.
  4. Gulden C, Olopade OI. Risk assessment and genetic testing for ovarian cancer. AJR Am J Roentgenol.194: 309-10.
  5. Schwartz MD, Kaufman E, Peshkin BN et al. Bilateral prophylactic oophorectomy and ovarian cancer screening following BRCA1/BRCA2 mutation testing. J Clin Oncol. 2003;21: 4034-41.
  6. Lee Y, Medeiros F, Kindelberger D et al. Advances in the recognition of tubal intraepithelial carcinoma: applications to cancer screening and the pathogenesis of ovarian cancer. 
  7. Adv Anat Pathol. 2006;13: 1-7.
  8. Rebbeck TR, Lynch HT, Neuhausen SL et al. Prophylactic oophorectomy in carriers of BRCA1 or BRCA2 mutations. N Engl J Med. 2002;346: 1616-22.
  9. Medeiros F, Muto MG, Lee Y et al. The tubal fimbria is a preferred site for early adenocarcinoma in women with familial ovarian cancer syndrome. Am J Surg Pathol. 2006;30: 230-6.
  10. McEwen AR, McConnell DT, Kenwright DN et al. Occult cancer of the fallopian tube in a BRCA2 germline mutation carrier at prophylactic salpingo-oophorectomy. Gynecol Oncol. 2004;92: 992-4.
  11. Gu J, Roth LM, Younger C et al. Molecular evidence for the independent origin of extra-ovarian papillary serous tumors of low malignant potential. J Natl Cancer Inst. 2001;93: 1147-52.
  12. Callahan MJ, Crum CP, Medeiros F et al. Primary fallopian tube malignancies in BRCA-positive women undergoing surgery for ovarian cancer risk reduction. J Clin Oncol. 2007;25: 3985-90.
  13. Crum CP, Drapkin R, Kindelberger D et al. Lessons from BRCA: the tubal fimbria emerges as an origin for pelvic serous cancer. Clin Med Res. 2007;5: 35-44.
  14. Crum CP, Drapkin R, Miron A et al. The distal fallopian tube: a new model for pelvic serous carcinogenesis. Curr Opin Obstet Gynecol. 2007;19: 3-9.
  15. Kindelberger DW, Lee Y, Miron A et al. Intraepithelial carcinoma of the fimbria and pelvic serous carcinoma: Evidence for a causal relationship. Am J Surg Pathol. 2007;31: 161-9.
  16. Lee Y, Miron A, Drapkin R et al. A candidate precursor to serous carcinoma that originates in the distal fallopian tube. J Pathol. 2007;211: 26-35.
  17. Carlson JW, Miron A, Jarboe EA et al. Serous tubal intraepithelial carcinoma: its potential role in primary peritoneal serous carcinoma and serous cancer prevention. J Clin Oncol. 2008;26: 4160-5.
  18. Jarboe E, Folkins A, Nucci MR et al. Serous carcinogenesis in the fallopian tube: a descriptive classification. Int J Gynecol Pathol. 2008;27: 1-9.
  19. Jarboe EA, Folkins AK, Drapkin R et al. Tubal and ovarian pathways to pelvic epithelial cancer: a pathological perspective. Histopathology. 2008;53: 127-38.
  20. Saleemuddin A, Folkins AK, Garrett L et al. Risk factors for a serous cancer precursor ("p53 signature") in women with inherited BRCA mutations. Gynecol Oncol. 2008;111: 226-32.
  21. Crum CP. Intercepting pelvic cancer in the distal fallopian tube: theories and realities. Mol Oncol. 2009;3: 165-70.
  22. Folkins AK, Jarboe EA, Roh MH, Crum CP. Precursors to pelvic serous carcinoma and their clinical implications. Gynecol Oncol. 2009;113: 391-6.
  23. Jarboe EA, Pizer ES, Miron A et al. Evidence for a latent precursor (p53 signature) that may precede serous endometrial intraepithelial carcinoma. Mod Pathol. 2009;22: 345-50.
  24. Roh MH, Kindelberger D, Crum CP. Serous tubal intraepithelial carcinoma and the dominant ovarian mass: clues to serous tumor origin? Am J Surg Pathol. 2009;33: 376-83.
  25. Semmel DR, Folkins AK, Hirsch MS et al. Intercepting early pelvic serous carcinoma by routine pathological examination of the fimbria. Mod Pathol. 2009;22: 985-8.
  26. Dehn D, Torkko KC, Shroyer KR. Human papillomavirus testing and molecular markers of cervical dysplasia and carcinoma. Cancer. 2007;111: 1-14.
  27. Graham DY. Helicobacter pylori infection is the primary cause of gastric cancer. J Gastroenterol. 2000;35 Suppl 12: 90-7.
  28. Carvalho JP, Carvalho FM. Is Chlamydia-infected tubal fimbria the origin of ovarian cancer? Med Hypotheses. 2008;71: 690-3.